Em sua passagem por Nova Iorque nesta semana, Troye Sivan compareceu ontem (25) ao AOL Build Series, onde concedeu uma entrevista e respondeu algumas perguntas dos fãs. Confira um resumo abaixo junto com as fotos do evento.

Se você não fosse gay, você acha que seria o artista que é hoje?
Eu sou totalmente aberto a ideia de que não estaria aqui se não fosse por ser quem eu sou.
Acho que por ser diferente desde criança, isso me fez olhar mais introspectivamente, o que deve ter ajudado na minha escrita e me fez ficar em casa um pouco mais.
Se não fosse isso, acho que seria uma versão mais decaída e tosca de mim.

Você se importa em ser um modelo a ser seguido?
Ter uma plataforma exige responsabilidade, ter certeza de que está usando sua voz de maneira sábia, porque as palavras carregam um grande peso. Eu aceitei isso como parte de tudo, mas nunca foi uma coisa que desejei ser. Agora eu penso bastante nas coisas que faço e tento meu melhor para ser uma boa pessoa que eu iria admirar se fosse mais novo.

Sua música é muito pessoal, você acha que ela também possui um teor político?
Não, eu acho que algumas há algumas repercussões sociais, mas não me vejo como uma figura política.

Em algumas entrevista de anos atrás, você dizia que não havia uma linha separando o que era coisa pessoal do que não em termos de falar ou escrever, mas recentemente você tem dito que há um limite para essas coisas. Por que você decidiu colocar um limite?
Eu acho que sempre houve um limite, mas nunca tive consciência disso.
Eu nunca convidaria uma equipe para filmar minha família e transformar isso em um reality show, por exemplo.
O mesmo vale para meus amigos. Eu tenho os mesmos desde quando tinha dois anos de idade. É legal quando você está junto com outra pessoa e ninguém mais precisa saber.
Eu curto muito a privacidade, e as vezes fico desconfortável quando alguma coisa se torna pública contra minha vontade. Se eu quiser falar sobre alguma coisa, eu realmente vou. Se eu não falar, é muito provável que quero manter aquilo privado.

O que você estaria fazendo se não fosse isso?
Eu definitivamente estaria na indústria criativa, eu amo filmes, música… Eu amo usar photoshop, talvez seria um tratador de imagens.
Se não pudesse fazer nada criativo, provavelmente seria um conselheiro de drogas e alcool.

Há uma razão pessoal para isso?
Não, eu assistia muito à série Intervention quando era criança e sempre achei muito interessante.

Você faria alguma parceria com sua mãe Laurelle ou seu irmão Tyde?
Meu irmão acabou de começar a trabalhar com produção musical e ele já é terrivelmente bom. Tenho certeza que faremos algo no futuro juntos.